Videos, audioLa Vie S'ecoule La Vie S'enfuit (Insurreição de Paris, 1968)

ravada pela primeira vez em 1974, com interpretação de Jacques Marchais, a música foi atribuída a um anarquista anônimo

Videos para el común. Con hilo
Reglas del Foro
Sobre poner y modo de videos.
Pon un titulo, un texto y para insertar el video pulsa el boton pequeño que pone youtube. Te saldran el código de que pone youtube dos veces. Pon el código del video en medio.
Comun
Site Admin
Mensajes: 169
Registrado: 27 Jul 2019 10:25
Contactar:

La Vie S'ecoule La Vie S'enfuit (Insurreição de Paris, 1968)

Mensaje por Comun » 07 Sep 2019 23:09

[youtube]mkBy5n1yalw[/youtube]



"Gravada pela primeira vez em 1974, com interpretação de Jacques Marchais, a música foi atribuída a um anarquista anônimo, suposto participante da greve que paralisou a região belga da Valônia em 1961. Mas na verdade a música foi composta por Raoul Vaneigem, um dos principais nomes do movimento situacionista. E mesmo se alguns situacionistas estiveram presentes na greve belga, entre eles o próprio Vaneigem, a composição deve ser mais justamente associada à insurreição parisiense de Maio de 68, na qual os situacionistas tiveram um papel importante.

La Vie S'ecoule La Vie S'enfuit não foi a única canção a nascer de Maio de 68, tampouco a única escrita pelos situacionistas -- poderíamos pensar, por exemplo, na canção do CMDO, o comitê de ocupação da Sorbonne. Mas a canção de Vaneigem exprime, talvez melhor que outras, o "rastro luminoso dos situacionistas" (Kurz) que formou o espírito dessa revolta. Nela encontramos a recusa de toda forma de representação política (partidos, dirigentes, Estado), a valorização da revolta como festa e, sobretudo, a crítica de um mundo no qual a nossa própria vida continua a nos escapar. Na oscilação entre um trabalho que não queremos e o consumo de mercadorias que não precisamos, a nossa "juventude morre de tempo perdido".

A vida se esvai, a vida escapa.

A vida se esvai, a vida escapa
Os dias desfilam ao passo do tédio
Partido dos vermelhos, partido dos cinzas
Nossas revoluções são traídas

O trabalho mata, o trabalho paga
O tempo se compra no supermercado
O tempo pago não volta mais
A juventude morre de tempo perdido

Os olhos feitos para o amor de amar
São o reflexo de um mundo de objetos
Sem sonho e sem realidade
Somos condenados às imagens

Os fuzilados, os famintos
Vem até nós do fundo do passado
Nada mudou, mas tudo começa
E vai amadurecer na violência

Queimem, covis de padres
Ninhos de mercadores, de policiais
No vento que semeia a tempestade
Colhem-se os dias de festa

Os fuzis sobre nós dirigidos
Contra os chefes vão se virar
Sem mais dirigentes, sem mais Estado
Para aproveitar de nossos combates "


CryptoMolotov
https://badernamidiatica.milharal.org


[youtube]PFlkgDpGiDE[/youtube]